Trinidad e Valle de Los Ingenios, Património Mundial

Trinidad e o Valle de Los Ingenios foram reconhecidos pela UNESCO como Património Mundial desde 1988. São cidades paradas no tempo, fachadas que fazem lembrar filmes antigos e ruas que são um convite para nos perdermos.

Como chegar a Trinidad

Depois de uns dias de descanso nas maravilhosas praias de Cayo Guillermo e Cayo Coco, fizemo-nos à estrada para explorar o outro lado de Cuba – o lado mais cultural.

O plano para este dia era visitar o Valle de Los Ingenios (ou Vale dos Engenhos) e Trinidad, que são considerados Património Mundial. A forma mais económica que encontrámos era pela Viazul, apanhando o autocarro em Ciego de Ávila. Mas, apesar de ser uma opção económica, tinha algumas desvantagens: tínhamos que ir de Cayo Coco para Ciego de Ávila, o autocarro saía de madrugada e não nos dava a possibilidade de visitar o Valle de Los Ingenios.

Vista da Torre de Manaca Iznaga
Vista da Torre de Manaca Iznaga

Pelo que tínhamos visto, o percurso de carro seriam umas 4 horas, por isso decidimos recorrer, mais uma vez, aos serviços de táxi privado da empresa Taxi in Havana. Pagámos 140 CUC, o equivalente a cerca de 125€.

Podem ver aqui o nosso percurso completo por Cuba

O primeiro contacto com a Cuba dos cubanos

Começamos o dia cedinho. Às 8h já tínhamos o pequeno almoço tomado e check out feito para nos fazermos às estradas de Cuba. O nosso táxi já estava à espera. Era o mesmo senhor que nos tinha ido buscar ao aeroporto.

Depois de nos deixar em Trinidad, o senhor teria que regressar sozinho, por isso concordámos em fazer um pequeno desvio para que a esposa nos acompanhasse e lhe fizesse companhia no regresso. Foi uma experiência engraçada porque acabámos por ter a oportunidade de conhecer o rancho dos sogros e ter uma ideia de uma Cuba mais genuína. Ah, e ainda ganhámos umas goiabas enormes acabadinhas de colher!

Logo no início da viagem descobrimos uma coisa engraçada: existe um código de sinais entre os motoristas. Como há muita polícia na estrada logo pela manhã, os condutores vão fazendo sinais aos que vêm em sentido contrário para alertar se há polícia na estrada e onde é que estão. Então, há um sinal específico para “estão na recta”, outro para “estão a seguir à curva” e ainda outro para “livre de polícia”.

Bananais a caminho de Trinidad
Bananais a caminho de Trinidad

Durante a viagem fomos conversando sobre assuntos banais e assuntos mais sérios e isso deu-nos a oportunidade de conhecer um pouco mais o dia-a-dia dos cubanos. Fomos aprendendo sobre as mangueiras (um conjunto de árvores que dão mangas) à beira da estrada, as plantações de cana-de-açúcar, palmeiras e bananais. Mas também conversámos sobre trabalho, dinheiro, família e até basebol. Ficámos a saber que este senhor trabalha praticamente sem folgas a conduzir o táxi, enquanto o outro condutor, que é o responsável pelo carro, raramente conduz.

Valle de Los Ingenios

Uma curiosidade é que Valle de Los Ingenios significa Vale dos Moinhos de Açúcar. Este nome deve-se às plantações de cana-de-açúcar que existiam naquela zona e que fizeram prosperar os fazendeiros espanhóis através do trabalho escravo entre os séculos XVII e XIX.

A sua principal atração é a Torre de Manaca Iznaga que, do alto dos seus 45 metros, permitia aos fazendeiros controlar toda a propriedade e vigiar os escravos africanos.

Torre de Manaca Iznaga
Torre de Manaca Iznaga

Depois de subir os sete andares da Torre, podemos ter uma vista lindíssima do vale e da fazenda onde era produzido o açúcar, agora transformada num restaurante. O custo de subir à Torre é de 1 CUC.

Fazenda vista da Torre de Manaca Iznaga
Fazenda vista da Torre de Manaca Iznaga
Vista do cimo da Torre de Manaca Iznaga
Vista do cimo da Torre de Manaca Iznaga

O que fazer em Trinidad

Quando pensamos em Trinidad o que nos vem à mente são fachadas coloridas e zonas verdes bem cuidadas. É interessante que tanto as fachadas de casas habitacionais como as dos museus e edifícios de negócio (como bancos, restaurantes ou lojas) estão igualmente conservadas a ponto de, muitas vezes, serem difíceis de distinguir.

Plaza Mayor
Plaza Mayor
Convento de San Francisco
Convento de San Francisco

Trinidad é uma cidade pequena onde vale a pena andar e perder-se pelas suas ruas. É uma cidade com um ambiente muito agradável, onde as pessoas sorriem e cumprimentam-se quando se cruzam. As ruas de Trinidad são cheias de vida, sendo muito comum ver grupos de pessoas a conviver nas ruas e praças.

As ruas coloridas de Trinidad
As ruas coloridas de Trinidad
Casa da Música
Casa da Música

Nós preferimos deambular pelas ruas de Trinidad sem um plano muito definido. De qualquer forma, vamos deixar aqui alguns dos principais locais a visitar em Trinidad:

  • Plaza Mayor, a praça central da cidade
  • Logo ao lado, fica a Casa da Música e a sua famosa escadaria que, de noite, se transforma num local de espectáculos de música e aulas de dança
  • Plaza Carillo ou Parque Céspedes, a segunda principal praça de Trinidad
  • Museo Nacional de la Lucha Contra Bandidos, situado no famoso Convento de San Francisco. É também possível subir à torre para uma vista da cidade
  • Praia Ancón, a pouco mais de 10 Km de Trinidad. Pelo que tínhamos lido, existem autocarros que fazem o percurso Trinidad – Ancón – Trinidad
  • Disco Ayala, a famosa discoteca que fica dentro de uma gruta natural
  • Próximo de Trinidad existe um parque natural chamado Topes de Collante, onde é possível visitar montanhas, cavernas, rios, cascatas, grutas e piscinas naturais
Plaza Carillo
Plaza Carillo

Jantar em Trinidad

Para jantar escolhemos o restaurante San José, que já levávamos como referência para uma refeição típica! É um restaurante grande e bonito e a comida é bastante boa.

Tínhamos ouvido falar de uma bebida típica chamada canchanchara e claro que experimentámos! É um cocktail que leva de rum, mel e limão e é servido num copinho de barro. Para o nosso gosto é demasiado doce, mas vale sempre a pena experimentar!

Para jantar comemos os maravilhosos croquetes do mar e, como é óbvio, não podíamos deixar de comer uma lagosta grelhada com arroz preto e batata doce frita. Terminámos com um gelado de chocolate e tiramisù.

Podem ver abaixo a localização exacta do restaurante.

Onde ficámos em Trinidad?

Em Trinidad, optámos por ficar numa casa particular. Para aquela noite escolhemos o Hostal Ramirez e só temos a dizer maravilhas. Quando chegámos, a Leoslinda já estava à nossa espera e, enquanto nos instalávamos, preparou-nos um sumo de manga tãooooo bom!

Onde ficar: casas particulares ou hotéis? Podem ler estas e outras dicas aqui .

Pátio do Hostal Ramirez
Pátio do Hostal Ramirez

A casa é muito bonita, tem um pátio amoroso, e os quartos são super limpos e arranjados. Sentimo-nos muito bem e muito seguros.

As nossas boas-vindas - Hostal Ramirez
As nossas boas-vindas

Outra opção de estadia que considerámos foi o Hostal Buri y Nesti, que tinha um localização um bocadinho mais central, mas já não tinha disponibilidade.

Booking.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *